O projeto de construção de um Centro Logístico de Caixas na CEAGESP, através de um programa de adesão voluntária, começando por produtos de grande volume e com alta participação de embalagens retornáveis, ainda está de pé.

 

Os produtos escolhidos foram banana, citros e tomate. Aqui  estão mais algumas informações. O volume de entrada, a concentração da comercialização, o número de entradas, a distribuição da entrada por dia da semana, semana do ano, mês, foram algumas das informações já apresentadas.

 

As informações são coletadas das vias das notas fiscais que são recolhidas nas portarias da CEAGESP de São Paulo e organizadas pelo SIEM – Sistema de Informação e Estatística de Mercado, administrado pela Seção de Economia e Desenvolvimento da CEAGESP.

 

Aqui estão as informações da origem dos produtos (banana, citros e tomate) e suas embalagens. Os dados trabalhados são de 2008.  Os números impressionam.

 

A banana chega de 126 municípios e 10 estados diferentes - 77. 312 toneladas. São Paulo é o maior fornecedor (74%), seguido por Minas Gerais (12%), Bahia (6%), Santa Catarina (5%) e com pequena participação pelo Espírito Santo, Paraná, Goiás, Rio Grande do Norte e Pernambuco. A oferta está muito concentrada nos municípios do Vale do Ribeira: Sete Barras (17%), Eldorado (15%), Registro (11%), Miracatu (8%). Juquiá (5%) e outros. Verdelândia em Minas Gerais e Luis Alves de Santa Catarina tem participação importante, com 7% e 3% respectivamente. A partir dos dados de origem podemos calcular a distância que as caixas percorrem e as regiões de grande concentração de produção onde deveriam existir centros de caixas. Os estados,  grandes fornecedores,  tem uma oferta bem distribuída ao longo do ano.

 

O citros chega de 249 municípios e 11 estados diferentes – 538.760 toneladas. O estado de São Paulo responde por 97% do volume, seguido por Minas Gerais, Rio Grande do sul, outros  países, Paraná, Bahia, Rio de Janeiro, Goiás, Santa Catarina e Sergipe. O volume de citros importado impressiona – 1.135 toneladas. Limeira é o município de maior volume de remessa com 17% de participação, seguido por Conchal, Porto Feliz, Pirangi, Mogi Mirim, Casa Branca, Bebedouro,  com participação entre 3 e 5%. A oferta ao longo do ano é bem distribuída variando em torno de 10% (maio) a 7% (maio) do volume.

 

O tomate chega de 384 municípios e 11 estados diferentes: 269.142 toneladas.   O estado de São Paulo é o maior fornecedor com 60% do volume, seguido pelos estados de Minas Gerais (21%), Santa Catarina (7%), Rio de Janeiro (6%), Goiás (2%), Espírito Santo (1%), Rio Grande do Sul, Bahia e Tocantins. Os grandes municípios produtores são Ribeirão Branco (13%), Cabreúva (6%), Apiaí (6%), São José de Ubá do Rio de Janeiro (4%), Caçador de Minas Gerais (4%), Capão Bonito (3%), Barra do Chapéu, Coimbra, Silvianópolis e Monte Santo de Minas Gerais e Itapeva com mais de 2% de participação. A oferta paulista mensal é mais estável variando de 6% (novembro)  a 11% (fevereiro)  e as ofertas mensais dos outros estados é mais variável. A oferta de Santa Catarina está concentrada nos primeiros meses do ano - 99% de janeiro a abril. É importante lembrar que a oferta de tomate é mais variável que a da banana e citros e que existem grande s barracões de classificação de tomate em São Paulo, que recebem tomate de várias regiões para classificar, embalar e rotular.

 
 

Anita de Souza Dias Gutierrez e Cláudio Inforzato Fanale do Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP