A cadeia de produção de frutas e hortaliças é muito afortunada por ter produtos tão fáceis de vender. As recomendações aos consumidores para que aumentem o consumo de frutas e hortaliças estão em todos os lugares. Que outros produtos conseguem tanta propaganda gratuita? Os benefícios de uma dieta rica em variedade de frutas e hortaliças frescas são demonstrados por estudos todos os dias e a população americana está cada dia mais consciente dos cuidados com a saúde.
Porque o consumo de frutas e hortaliças frescas continua abaixo do recomendado pelo USDA – Ministério da Agricultura dos EUA, de 5 a 9 porções por dia e que até inclui batatas fritas como uma das porções? Uma pesquisa realizada em 2003 mostrou que somente 23% dos consumidores declararam comer 5 ou mais porções de frutas e hortaliças frescas por dia e 40% que não comem mais que duas porções.

 Alguns poderiam dizer que as razões para o baixo consumo estão na falta de conveniência ou tempo ou nos altos preços praticados no mercado varejista. Razões derrubadas por estudos do USDA que demonstraram que o custo não é uma barreira significativa ao consumo: mais que metade das frutas e hortaliças teve um custo menor que 25 centavos de dólar por porção em 1999. Uma grande quantidade de produtos prontos para o consumo já disponíveis para todos os gostos e preparações derruba a tese da falta de conveniência.

 A falha da cadeia de produção de frutas e hortaliças frescas no suprimento consistente de produtos saborosos é uma causa, nunca considerada, do não crescimento do seu consumo. As reclamações mais freqüentes são: falta de doçura, textura desagradável e sem sabor. Os consumidores, frequentemente, se sentem desapontados ao ingerir frutas e hortaliças frescas. Os produtos processados, industrializados, são pela sua própria natureza, muito consistentes em qualidade na sua ingestão.

Uma grande quantidade de recursos foi gasto para aumentar a nossa compreensão do valor nutricional das frutas e hortaliças e para aumentar o valor nutricional dos produtos agrícolas. Entretanto senão houver um aumento de consumo os benefícios nutricionais não ocorrerão.

Nós precisamos de estratégias que garantam a disponibilidade de frutas e hortaliças de alta qualidade de sabor, de forma consistente. A orientação alimentar das crianças é um dos caminhos mais recomendados para que a população adquira o hábito de comer diversidade de frutas e hortaliças todos os dias. Entretanto se a criança se sente desapontada ao experimentar o alimento uma ou duas vezes, ela não tentará novamente. Precisamos aumentar as chances de uma experiência prazerosa da criança.


As razões para um sabor de baixa qualidade são muitas, mas geralmente não se relacionam com produtividade, resistência a doença, aparência. O gosto não tem sido uma das prioridades no melhoramento genético. O aumento da competição e a grande produção de algumas culturas, exigem uma mudança de foco para a manutenção da competitividade.

O foco da cadeia de produção de frutas e hortaliças frescas dos EUA deve ser o aumento de consumo para um nível próximo dos países europeus, através da educação e promoção e da garantia do melhor sabor nas frutas e hortaliças vendidas.

O sucesso trará benefícios à saúde nacional, reduzirá custos médicos e o aumento da demanda beneficiará todos os agentes de produção e comercialização.

Tradução do texto de Elizabeth Mitcham, Ph.D., University of California-Davis: “Flavor Is The Key To Increased Consumption”