Tempo de Caqui

Uma boa parceria com a Natureza exige o conhecimento do comportamento de cada planta e o da sua melhor região de produção e época de plantio (luz, temperatura, fertilidade do solo, altitude, relevo). O plantio na melhor época e região permite maior produção por área (produtividade), melhor qualidade, menor custo de produção, menor ocorrência de pragas e doenças e menor aplicação de insumos como defensivos, menor custo e melhor qualidade do produto para o consumidor.

O Brasil é grande em área, população, diversidade, complexidade. Cento e noventa milhões de habitantes, concentrados em grandes aglomerações urbanas, ocupam 850 milhões de hectares, situados entre as latitudes +5º16'20" N e -33º44'32" S e as longitudes -34º45'54"L e -73º59'32" e altitudes que variam entre 0 e 2.994 metros. A diversidade geográfica do Brasil garante, para muitas frutas e hortaliças, a existência de diferentes origens de produção em diferentes épocas do ano.

O Entreposto Terminal de São Paulo da CEAGESP, também conhecido como o Ceasa de São Paulo, é um dos maiores entrepostos de abastecimento de frutas e hortaliças do mundo. Nos últimos três anos, horticultores de 2.500 dos 5.560 municípios brasileiros, 25 dos 27 estados brasileiros e doze países enviaram produtos para serem comercializados na Ceasa de São Paulo. Ela concentra 38% das frutas e 30% das hortaliças comercializadas nos principais ceasas brasileiras.

O conhecimento do tempo certo para cada fruta e hortaliça permite o planejamento da compra na época de menor preço e melhor qualidade, o crescimento do volume comercializado e clientes mais felizes.

Não existem períodos de carência de fruta. Março é um mês especial. Temos a colheita de maçã no Sul do Brasil, a safra do caqui paulista – que vai de março a junho e vai começar a oferta das tangerinas, começando pela tangerina poncã. Estamos no fim da safra da uva paulista do Sudoeste Paulista e vai começar a oferta da uva nordestina. A safra da melancia paulista do fim do ano acabou e estamos recebendo melancia gaúcha. A manga da safra paulista já foi substituída pela manga nordestina.

Agora é tempo de caqui. Existem caquis para todos os gostos, crocante ou macios, redondos e ovais, grandes e pequenos, com ou sem semente, taninosos e não taninosos.

Os caquis taninosos como o Rama Forte e o Guiombo passam por um processo de destanização (diferente para cada um). O tanino é uma defesa da planta, contra pragas e doenças. É curioso que o Rama Forte e o Guiombo ou não ter sementes. A presença de sementes faz com que sua polpa fique marrom e que ele não precise de destanização. O caqui Rama Forte em geral é consumido bem macio e o Guiombo bem crocante

O caqui Fuyu e o Kyoto não necessitam de destanização. O caqui Fuyu não tem semente, é grande e doce. O caqui Kyoto tem semente, polpa marrom e formato alongado.

É fácil comprar caqui colhido maduro. Escolha os frutos bem coloridos, quanto mais forte a coloração alaranjada, mais saboroso o caqui. Só a variedade Kyoto é menos colorida. Os caquis com semente são muito doces, se colhidos no ponto certo.

É comum nesta época a colocação a venda de caquis colhidos imaturos, prática que prejudica muito os agricultores sérios. Frutos colhidos imaturos não são saborosos e acabam levando à rejeição da fruta.

Alguns conselhos podem ser dados a quem quer escolher e comprar uma fruta saborosa:

1. Exija que o seu fornecedor forneça a variedade, a origem da fruta – o nome do produtor e o local de produção.
2. Só compre fruta madura. A fruta não fica mais doce depois de colhida. Ela amolece, a casca amarelece, mas a doçura é a mesma do dia da colheita. Mesmo as bananas, em que o amido é transformado em açúcar no amadurecimento, não são gostosas se colhidas imaturas, sem o total enchimento do fruto.
3. Só coloque a fruta na refrigeração quando ela estiver macia, pronta para ser consumida. As frutas tropicais são muito sensíveis ao frio. 

 

Anita de Souza Dias Gutierrez
Engenheira-agrônoma do Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP