Comitês de promoção e desenvolvimento de abacate existem em diferentes países, produtores de abacate. Os comitês são responsáveis por ações institucionais, ações que o produtor ou comerciante de abacate, mesmo grande, não consegue realizar sozinho. O comitê é uma entidade público-privada com poderes juridicamente estabelecidos e organização para viabilizar o objetivo. A sua direção executiva é de representantes da iniciativa privada.

O comitê de abacate coordena a cadeia de produção do abacate:

Orientando e financiando a pesquisa para a direção correta

Indicando a orientação correta das ações de Defesa Agropecuária

Promovendo ações de marketing - em seu sentido mais amplo de preparação de um produto para o mercado, incluindo o estabelecimento de normas e padrões em toda a cadeia, a propaganda e a orientação ao consumidor

Implantando um sistema de informação de mercado e de tecnologias disponíveis, bases para as tomadas de decisão do produtor e de toda a cadeia de produção.

 

Aqui estão alguns endereços eletrônicos de promoção do abacate:

 

www.californiaavocado.com/

www.hassavocadoboard.com/

http://industry.avocado.org.au/Growers/Marketing.aspx

www.nzavocado.co.nz/online/welcome.csn

www.theamazingavocado.com/trade/promotion-tips/#.U7QBQbGNwzI

http://avocadosfromchile.org/

Os programas de pesquisa e promoção do produto agrícola são estabelecidos por lei federal ou estadual, com recursos oriundos do próprio setor e visam o crescimento e o sucesso dos comerciantes e produtores daquele produto. Eles permitem que produtores e seus primeiros compradores, juntem esforços e recurso e desenvolvam um programa de pesquisa, promoção e informação do consumidor para melhorar, manter e desenvolver novos mercados para o seu produto. O programa trará outros benefícios para a saúde pública, nutrição, economia global e esforços humanitários (www.ams.usda.gov).

Programas desse tipo existem há décadas nos Estados Unidos, na Europa, na Austrália, na Nova Zelândia e têm tido uma enorme influência nos destinos e no sucesso dos agronegócios dos países desenvolvidos. Nós sentimos o seu efeito no Brasil quando assistimos, por exemplo à degustação de peras e cerejas em nossos supermercados, outdoors e eventos que promovem o consumo e a importação pelos brasileiros.

A rápida globalização da economia e a enorme importância para o Brasil da competitividade de sua produção com base agrícola, exige a criação de mecanismos ágeis de conquista e manutenção de mercados para os produtos agrícolas brasileiros, semelhantes aos que já existem em muitos países.

Aqui está uma proposta de lei federal (poderia se estadual) para a sua viabilização no Brasil:

Projeto de Lei nº ...... Institui a Câmara de Promoção dos Produtos Agrícolas.

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1º - Fica criada, no âmbito do Ministério da Agricultura e da Pecuária, a Câmara de Promoção dos Produtos Agrícolas, cuja finalidade é operacionalizar o estabelecimento e a operação de programas de promoção específicos para cada determinado produto agrícola, em âmbito nacional ou regional, e que incluem uma combinação de atividades de promoção, de pesquisa e de informações mercadológicas, visando manter e expandir os mercados para os produtos agrícolas brasileiros, através da criação de Comitês específicos por produto, com fundos originários de contribuições obrigatórias dos produtores, dos distribuidores e dos processadores e também por dotações do Tesouro Nacional, na forma determinada por Regulamento.

§ 1º - A criação de um determinado Comitê de Promoção de Produto Agrícola será solicitada pelos interessados à Câmara de Promoção dos Produtos Agrícolas do Ministério da Agricultura e da Pecuária, que promoverá audiência pública e votação entre os produtores, distribuidores e processadores que serão abrangidos pela criação do referido Comitê, determinando-se assim sua criação e o valor da contribuição de produtores, distribuidores e processadores por unidade comercializada, a maneira de cobrança dessa contribuição e a composição representativa e diretiva do Comitê, como determinado por Regulamento.

 

Anita de Souza Dias Gutierrez

Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP