Os padrões de qualidade e de tamanho são a linguagem de caracterização do produto na comercialização.O desenvolvimento de padrões para as frutas e hortaliças frescas não é fácil. Eles têm que retratar a grande diferenciação de valor por qualidade e por tamanho de um produto perecível, com alto metabolismo e grandes transformações pós-colheita. A existência de padrões é especialmente importante no comércio internacional de frutas e hortaliças frescas.

O CODEX ALIMENTARIUS estabelece padrões internacionais para os alimentos e os procedimentos de manuseio e transporte visando a segurança e a qualidade do alimento e uma comercialização transparente e justa. Eles são utilizados na caracterização e na definição do valor do produto na negociação, na fiscalização da sua qualidade na saída e na chegada ao destino e na arbitragem de atritos comerciais. O CODEX faz parte da FAO-Food and Agricultural Organization e da World Health Organization. Os padrões publicados pelo CODEX são o resultado de consultas e debates entre os técnicos dos países exportadores e importadores. Os padrões de qualidade e tamanho do mamão foram publicados pelo CODEX em 2011 – CS 183-1993. Eles estabelecem três categorias de e padrões mínimos de qualidade, abaixo dos quais o produto não pode ser comercializado.

O Brasil está se candidatando à OCDE - Organização para o Desenvolvimento Econômico, uma organização internacional que reúne os países mais desenvolvidos e ricos do mundo. Um dos objetivos da OCDE é o estabelecimento de padrões globais. Um dos serviços prestados pela OCDE é o desenvolvimento de referencial fotográfico para os padrões de qualidade de frutas e hortaliças frescas da OCDE.

O Brasil foi escolhido para elaborar o referencial fotográfico para a norma de mamão do CODEX. O Referencial Fotográfico é utilizado pelos inspetores de qualidade e pode levar à aprovação ou rejeição do produto nas operações de importação, exportação ou controle nos mercados internos, em todo o mundo. O Referencial Fotográfico precisa atender, ao mesmo tempo, as exigências da OCDE e dos exportadores brasileiros.

A sua elaboração exige a colaboração e a contribuição dos produtores e exportadores de mamão, em duas etapas. A primeira etapa será de levantamento de informações e de registro fotográfico e a segunda de validação do trabalho que será apresentado à OCDE.

A CEAGESP é parceira do MAPA na elaboração do Referencial Fotográfico para o mamão e os seus técnicos e os do MAPA estarão em Linhares dos dias 25 a 29 de novembro para a primeira etapa do trabalho.

Outras informações:

http://www.fao.org/fao-who-codexalimentarius/codex-texts/list-standards/en/

http://www.agricultura.gov.br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/organismos-internacionais/ocde/

https://www.hortibrasil.org.br/2016-06-03-10-49-48/artigo/mapa-foi-escolhido-para-elaborar-manual-internacional-do-mamão.html